Palavras a um Pôr-do Sol...

Wednesday, October 22, 2008


Bom dia, Pôr-do-sol.
Engraçado, né? Se fôssemos interpretar isso literalmente seria ridículo. Como dar bom dia a algo que vem quando o dia terminou??

Precisava colocar tudo pra fora. Estou com algo entalado na garganta. A saudade tem doído demais e eu tenho buscado o equilíbrio todos os dias. Esta não é nenhuma tentativa de mudar as coisas nem um apelo sentimental. É apenas algo que precisava dividir com você. E tinha que ser com você. Da forma que fosse.

Posso ficar sem falar com você todos os dias, mas não posso esquecer que ainda é importante pra mim. Posso não estar tendo a oportunidade de olhar nos teus olhos, mas tenho gravada a luz que existe neles. Não há como fingir que ela não está mais ali.
Posso não ter mais teu sorriso, mas ainda consigo imaginar como ele é. Posso tentar viver sem você, e estou tentando, mas uma promessa feita ao meu coração (e por mais que alguém diga que foi apenas uma palavra solta ao vento, algo momentâneo, eu sei que não foi) me faz lembrar que você vai estar sempre comigo.

Você de nós sempre foi o mais forte, mais racional, mais sensato. Ainda continuo sendo a parte mais impulsiva, mais sentimental. Ainda somos sonhadores, ainda queremos mudar o mundo. Apenas erramos em deixar as circunstâncias mudarem nossos planos. Estranho pensar que você talvez não esteja mais comigo quando eu me formar. É estranho pensar que não vou estar ao seu lado em sua mesa de formatura, em sua festa de aniversário, em sua vida. Que não existirá mais lugar secreto, nem banho de chuva, nem casa de praia, nem histórias aos netos. Que não existe mais telepatia, nem olhares que tudo dizem sem palavras. É estranho. São pequenas coisas que já eram parte do meu futuro.

Não deu pra não lembrar da prova de Anatomia Patológica. Não deu pra não lembrar daquele abraço de boa sorte, ou daquele medo todo de não conseguir. Em algum lugar eu sempre estarei rezando por você da mesma forma que antes, pode ter certeza. Mesmo que não tenha possa te dar aquele mesmo abraço. Estou me esforçando pra passar no 4º ano, devo confessar que as coisas não estão saindo como eu gostaria. Posso não ter mais um professor, mas ainda tenho seu modo de ensinar e as suas palavras. Incrível como a primeira prova que veio parar em minhas mãos foi justamente a sua. Talvez tenha sido a forma que a vida encontrou de você realmente me ensinar, como tinha prometido. Pois a vida não esquece as nossas promessas e ela não iria deixar você descumprir a sua.

Essa noite, lembrei de quando conversamos na Estação da última vez. A primeira interrogação que veio: “Por que tudo tinha que terminar assim?”. Ambos sabemos que não terminou. Teria terminado se tivéssemos deletado tudo de nossas mentes, se fosse algo indiferente. Já tentei odiar você e não consegui. Tentei fingir que não existe e também não consegui. Assim como lembro de você em cada situação, você também lembra de mim, aonde quer que você esteja, aonde quer que você vá.

Sei que também não vou conseguir deixar de sorrir ao ver o Gallebus, ao passar pelo museu, ao ir ao Marujo’s ou tomar sorvete de morango, lembrar do carimbó e DVD do Calypso (quase furado), “Imagino” e “Pra Sempre”, ao ouvir Djavan ou Lulu Santos ou Ana Carolina, comer Crunch ou abacate com leite Ninho, lasanha ou até mesmo tomar a velha e boa Coca-cola.

Sempre vou lembrar do guaraná-horrível Jesus, ou de macaquinho ou de “deda” de madrugada. De “mão vai e vem” ao invés de mão dupla, andar de moto pela primeira vez, Spazzio ou Xícara com pizza crepúsculo.
Até mesmo da Cia Paulista, com jambu de camarão e Brasileira, ou carta ao jornal no GP, conversa de madrugada e disco voador, telefonema sonâmbulo ou surpresa no aniversário da Tata. Do tradicional “nem pensa”, que eu já não consigo falar tanto como antes, ou conversa no CAM, ou fofocas básicas de UEPA, parte I e II.
De Beiradão com caminho iluminado, de sonho que não deu certo, mas serviu de alguma forma, de pegar ônibus na pista antes de tentar resolver sua vida, cheio de empolgação e esperança. Sabe, tudo isso sempre vai estar aqui. Simplesmente porque esteve comigo quando eu mais precisava. E isso fez toda a diferença.

Não dá simplesmente pra esquecer, fingir que não existiu. Foi cotidiano demais, vivo demais. Amizade dessas a gente não encontra em cada esquina. E por mais que você não esteja mais aqui pra viver essa amizade, não quero outra. Doeu quando perdi meu amor, meu pai, meu sonho. Mas quando perdi você, meu amigo, vivi uma experiência que não quero viver nunca mais: faltou um pedaço de história, como quando o livro é bom e a gente rasga uma página do final. Deu revolta e nem quis entender. Mas hoje entendo, não aceito, mas também não tenho vontade de mudar nada. Acho que no fundo ainda somos unidos demais, pois ainda sinto sua presença constante do meu lado. Esforce-se para ser tão feliz como sempre sonhamos. Também vou fazer o mesmo esforço.

Bom, já deu. Não sei nem se devo publicar isso em algum lugar. Nem sei se alguém ao menos vai ler isso tudo. Ou se vai me achar ridícula ou tola. Mas eram coisas que eu precisava dizer.
Desculpa. Foi saudade, só saudade...

Raio de Luz

“Eu só quero saber em qual rua a minha vida vai encostar na tua...” (Ana Carolina)

16 comments:

Sérgio Tibúrcio Jr. October 22, 2008 at 7:36 AM  

Impossível não se deixar abater com essa perda irreparável.. Pra mim tá sendo muito difícil, em especial, na data de hoje, meu aniversário! Mas tenho certeza que tudo o que vivemos não foi em vão e tem um propósito, não dá pra esquecer! A verdade é que o Victor sempre foi um anjo, que protegia a gente, como você mesmo disse, a nossa parte racional.. creio eu que agora, propriamente, ele continua sendo o nosso anjo, protegendo a gente lá de cima.
Te amo, Ju!
Beijo.
Força!

Su October 22, 2008 at 7:44 AM  

Ju, que lindo e emocionante!!
Não precisa pedir desculpas, a saudade vem arrebentando com tudo então temos que falar, demonstrar e pronto, dizer tudo o que sentes!!
Lindo demais, estou aqui emocionada....
Beijão, minha flor e muita força pra vc!!!!

October 22, 2008 at 10:23 AM  

Feliz por você ter conseguido colocar para fora toda sua saudades e seu amor por ele.
Agora é o tempo de fazer isso tudo mesmo.
Com certeza de alguma maneira ele estará lendo tudo o que você e seus amigos estão sentindo, de alguma maneira ele etará sendo um intercessor para vocês.
Ficarei orando por ele e por todos vocês.
Hoje participarei de uma celebração muito especial para im que sou católica e colocarei o nome dele em minhas intensões.
Beijos minha criança e se precisar estarei sempre por perto !
Beijos em seu coração!
Força filha!

Tâmara October 22, 2008 at 10:51 AM  

QUERIDA, OBRIGADA PELA VISITA AO INTIMIDADE....BEIJOS!

Agda Gabriel October 22, 2008 at 1:04 PM  

Ju...que é isso??? Que coisa mais linda de texto. Ha muito tempo não vejo tanta expressão nas palavras, tanto sentimento exposto de forma tão sincera e elegante. Apesar de perceber toda a dor que vc sente, não dá pra deixar passar o fato de que vc consegue expressar magistralmente toda a dor e toda a saudade...Não se exaspere, no entanto, tudo o que é sincero permanece intacto, inalterado e constante. Felicidades Ju. Beijão

Maria Fernanda October 22, 2008 at 1:14 PM  

Desde quando é preciso de racionalidade na saudade?
Eu chorei ao te ler, menina. É, chorei. Há uns dias atrás também falei dessa mesma saudade, que maltrata o coração quando pensamos em tudo que poderia ter sido - e não foi. Dói! Perder um amigo, tão próximo, tão querido... Dói.

Mas força.
A vida tem que continuar pra você. Da onde quer que ele esteja, ele te acompanhará sempre e dará a força que você precisa.

Um beijo,
Maria Fernanda

Lorena October 22, 2008 at 2:47 PM  

Ju, impossível não ficar com um nó na garganta ao ler seu desabafo... Olha, uma coisa eu sei, não importa onde ele esteja, ele sabe disso tudo. Não importa que vc nunca tenha dito algo que queria muito, ou tenha dito algo que nunca quis dizer, Ju, porque agora ele sabe exatamente o que vai em seu coração.
Isso dói mais do que qualquer dor, porque é perda permanente... Mas ó, não se deixe enganar, a perda só acontece de verdade se houver esquecimento. E com todo esse amor aí dentro de você eu tenho certeza que isso nunca vai acontecer.

Beijos, e fica com Deus.

jubliana. October 22, 2008 at 4:46 PM  

saudade dói.
E você anda meio sumida também, eim.
te cuida, moça. ;**

Leonardo Werneck October 23, 2008 at 7:27 PM  

Lindo texto Ju, faz bem colocar pra fora, a dor compartilhada fica mais leve.

Fique bem.

Beijos

Frederico Blahnik October 24, 2008 at 7:16 AM  

A gente tem saudade de tanta coisa, né? Hoje por exemplo eu estou com saudade da minha infância quando eu tinha pelo menos a ilusão que eu seria sempre protegido pelos meus pais e que quando eu crescesse todo seria como eu imaginava...

Du October 24, 2008 at 9:07 AM  

Ju, eu li todo o texto com a garganta apertada de dor... daqui onde estou, a única vontade que senti de verdade, foi de te abraçar bem forte, só isso...

Te amo, fica bem...

Di October 25, 2008 at 11:06 AM  

Oiiii!
Saudades tb, eu volto pra me atualizar, viu?

Gostei das mudanças no layout, tá bonito!
beijin, querida.

Sahmany October 26, 2008 at 10:54 AM  

Força amiga!!! Devagarinho as coisas vão se ajeitando, o coração vai se acomodando, a dor da perda vai diminuindo e virando uma saudade gostosa. Não se assuste se de repente um dia qualquer, numa hora qualquer, vc se flagar sorrindo ao lembrar dele. É assim que acontece, e acredite amiga, eu sei bem como é isso.
Fica bem.
Beijos. Te adoro demais amiguinha.

Lucí October 27, 2008 at 11:51 AM  

Lindo texto...

Fiquei hipnotizada com cada palavra...

Linda homenagem...

Beijo, boa semana...

Di October 28, 2008 at 4:15 PM  

Voltei e li tudin. Se o destinatário leu, deve ter se emocionado. Não era pra mim e eu achei lindo!
Fica bem!

beijo

Di October 28, 2008 at 4:17 PM  

Ai, perdão, só agora li post anterior. Lamento sua perda. =(

Blogagens Coletivas

  © Blogger template Nightingale by Ourblogtemplates.com 2008. Modificado por Ju Pietra e Suzanna Martins

Back to TOP